sábado, 9 de março de 2013

Manifestação Nacional em Repúdio à Marco Feliciano

Protesto em SP
No dia nove de março houveram manifestações em todo país em repúdio à nomeação do pastor e deputado federal Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos na Câmara Federal. Diversas entidades já mostraram sua indignação e abaixo-assinados on-line estiveram circulando pelas redes sociais. Até mesmo evangélicos manifestaram repúdio.

O empresário, cantor, apresentador de TV e deputado pelo Partido Social Cristão expressou sua opinião, no Twitter, a respeito dos negros, dizendo que eles são os "descendentes amaldiçoados de Noé", que a África é amaldiçoada, etc; e sobre os homossexuais, que a AIDS é o "câncer gay", um castigo pela pecaminosa prática homossexual, e ainda os acusou por espalhar doenças contagiosas, entre outros comentários retrógrados. É contra, pois, o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, de acordo com o interesse da bancada evangélica.

Manifestação em Curitiba
Fazendo coro com o discurso demagógico dos intolerantes, reivindica o direito de caluniar e, uma vez na comissão, de prejudicar legalmente os grupos discriminados, como "liberdade de expressão", e faz parecer que são seus opositores os intolerantes: “Se tem alguém que entende o que é direito das minorias e que já sofreu na pele o preconceito e a perseguição é o PSC, o cristianismo foi a religião que mais sofreu até hoje na Terra”. e ainda “Faça algo q contrarie os GLBTs e esteja pronto pra ser massacrado”.

Na sessão da Comissão de Direitos Humanos da Câmara do Deputados do dia 7 foi à portas fechadas, restrita apenas para deputados, servidores e imprensa. A comissão tinha 18 membros, cinco são do Partido Social Cristão e outros seis são da bancada evangélica. Manifestantes apareceram no local para protestar, e o homofóbico e defensor da ditadura militar, reacionário de carteirinha Jair Bolsonaro (PP), disse para os militantes do movimento negro: "Voltem para o zoológico".

Manifestação em RJ


Os deputados que votaram no pastor são André Moura (PSC), Antônia Lúcia (PSC), Costa Ferreira (PSC), Lauriete (PSC), Marco Feliciano (PSC), Stefano Aguiar (PSC), Liliam Sá (PSD), Anderson Ferreira (PR), Pastor Eurico (PSB), Marcos Rogério (PDT), Henrique Afonso (PV) e Dr. Grilo (PSL). Jair Bolsonaro anunciou triunfante: "Não assistiremos mais aqui seminário LGBT infantil, com crianças sendo estimuladas uma a fazer sexo com a outra”.

Deputados indignados chegaram a se retirar da Comissão, uma vez que esta já não era mais de direitos humanos, como disse Luiza Erundina (PSB). Ela, Erika Kokay (PT), Jean Wyllys (Psol), entre outros, renunciaram de seus cargos.

Marco Feliciano, deputado pastor homofóbico

Nenhum comentário:

Postar um comentário